Depressão: Conheça os principais sintomas deste problema

Os sentimentos de tristeza são comuns na vida das pessoas. Existem situações que nos deixam para baixo e precisamos de tempo para superar. Mas existem alguns casos em que esses sentimentos acabam durando semanas, meses e até mesmo anos, e às vezes sem nenhum motivo aparente. Esse é um dos primeiros sinais da depressão, uma condição muito séria que pode afetar a saúde mental e física das pessoas.

O que é a depressão?

O Transtorno Depressivo Maior, mais conhecido como depressão é uma doença mental que afeta a forma como uma pessoa se sente e age. Felizmente ela pode ser tratada e controlada com os procedimentos corretos.

A depressão deixa a pessoa triste e sem interesse nas atividades que gostava antes. Além de desencadear em vários problemas físicos e emocionais, ela pode afetar no desempenho da pessoa nos estudos e no trabalho.

A doença é a segunda maior causa de anos de vida com incapacidade, apenas atrás da dor de costas. Os sintomas aparecem geralmente entre os 20 e os 40 anos de idade. A doença é duas vezes mais comum entre mulheres do que entre homens.

Sintomas da depressão

Os principais sintomas de uma pessoa em depressão são os seguintes:

  • Sentimento de tristeza ou depressão constante
  • Perda de interesse nas atividades que antes agradavam
  • Mudanças no apetite – perda ou ganho de peso exagerado em pouco tempo
  • Problemas para dormir ou sono excessivo
  • Perda de energia ou aumento da fadiga
  • Aumento de movimento sem propósito (hábito de esfregar as mãos, ficar andando em círculos) ou fala e movimentos mais lentos
  • Sentimento de culpa ou preocupação
  • Dificuldade de raciocinar, se concentrar ou tomar decisões
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Se esses sintomas persistirem por mais de duas semanas, significa que a pessoa pode estar em depressão.

As causas da depressão são várias, ela pode ser ocasionada por problemas genéticos, biológicos, de ambiente e sociais.

A depressão pode afetar de forma negativa as relações familiares da pessoa, o trabalho, a vida escolar, o sono, as refeições e a saúde em geral. Entre 2 a 7% dos adultos com depressão morrem de suicídio e cerca de 60% das pessoas que morrem por suicídio apresentavam depressão ou outro distúrbio de humor.

 

(*texto somente para ilustração e sem fins diagnósticos, para tanto, é necessário avaliação detalhada com base nos critérios do CID 10 e DSM 5)

Insônia – O que é e como tratar

A insônia é um problema muito comum que faz com que as pessoas tenham dificuldade para dormir ou ficar adormecidos pelo tempo necessário. Pessoas com insônia normalmente ficam insatisfeitas com a qualidade do seu sono e apresentam sintomas como fadiga, pouca energia, dificuldade de concentração, problemas de humor e baixa performance na escola ou no trabalho.

Os sintomas da insônia

A insônia é caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • Dificuldade para dormir
  • Dificuldade de ficar adormecido (a pessoa acorda várias vezes durante a noite e demora para voltar a dormir)
  • Sono não restaurador
  • Fadiga ou energia baixa
  • Dificuldade de concentração
  • Problemas de humor, como irritação
  • Problemas comportamentais como sentimentos impulsivos ou de agressão
  • Dificuldade com relacionamentos interpessoais

Um dos critérios que caracterizam a insônia é a sua duração. A Insônia Aguda é breve e normalmente ocorre por circunstâncias do cotidiano como uma prova, ansiedade antes uma entrevista de emprego ou uma notícia ruim. Normalmente esses casos são resolvidos sem necessidade de tratamento.

Já a Insônia Crônica acontece pelo menos três noites por semana e dura no mínimo três meses. Esse tipo de insônia pode ter diversas causas como mudanças no ambiente, hábitos de sono ruins, trabalho por turno e até mesmo o uso de alguns medicamentos. As pessoas que sofrem com insônia crônica devem procurar tratamento para voltar a ter um padrão de sonos saudável.

As principais causas de insônia

A insônia pode ser causada por fatores físicos ou psicológicos. Entre as causas mais comuns estão:

Rupturas no ritmo circadiano – jet lag (quando vamos para um local com fuso horário diferente), mudanças de turno no trabalho, grandes altitudes, barulhos no ambiente, muito frio ou calor.

Problemas psicológicos – transtorno bipolar, depressão, ansiedade ou transtornos psicóticos.

Condições médicas – dores crônicas, síndrome da fadiga crônica, insuficiência cardíaca congestiva, angina, doença de refluxo ácido (DRGE), doença pulmonar obstrutiva crónica, asma, apneia do sono, doença de Parkinson e Alzheimer, hipertiroidismo, artrite, lesões cerebrais, tumores e acidente vascular cerebral.

Hormônios – estrogênio, mudanças de hormônios durante a menstruação

Outros fatores – dormir ao lado de uma pessoa que ronca, parasitas, condições genéticas e gravidez.

Os tratamentos para insônia podem incluir componentes médicos, comportamentais, psicológicos, ou uma combinação deles. O melhor tratamento será definido pelo profissional que irá analisar o seu caso e o seu histórico de insônia.